Na última quinta-feira (16), o Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro) apresentou ao ministro da Justiça Osmar Serraglio, nove propostas da Carta do Rio, documento que marcou o lançamento do Movimento Nacional Contra o Roubo de Cargas, liderado pela Federação, e que foi assinada por 111 instituições, empresas e representantes do setor público e de forças de segurança.

Os dados do estudo elaborado pela Firjan mostram que o registro de ocorrências de roubo de cargas quase dobraram nos últimos seis anos, gerando alto custo para a indústria e a sociedade. Foram mais de 97 mil casos no período, com impacto superior a R$ 6,1 bilhões, sendo que 87,8% destas ocorrências se concentram em São Paulo e Rio de Janeiro.

Segundo a análise da Firjan, devido à combinação entre crise econômica e o avanço dos roubos de cargas, houve uma redução no número de veículos inscritos no Registro Nacional de Transportador Rodoviário de Cargas (RNTRC), que regulamenta o mercado de transportes de cargas no país. Segundo dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) o total de veículos registrados em março de 2017 é 25,8% menor do que o existente em dezembro de 2015. São 603.165 veículos de carga a menos circulando no país. Entre dezembro de 2016 e março de 2017 a queda foi de 12,1%, ou 239.333 veículos. Esta redução afeta a toda a economia, uma vez que 65% das cargas do país dependem do transporte rodoviário.

Entre as nove medidas pleiteadas pela Firjan estão ações como o aumento do efetivo da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a aprovação de Projetos de Lei referentes à cassação do CNPJ e CPF de estabelecimentos e pessoas envolvidas em receptação, armazenamento e venda de mercadorias roubadas.

Fonte: Sistema Firjan