A DHL anunciou que incluiu, na sua cadeia de distribuição, a terceira geração do seu projeto Parcelcopter, uma fase que permite assegurar as entregas de forma automatizada através do recurso a drones.



Criado para ser usado na entrega de encomendas em destinatários localizados em regiões alpinas, o Parcelcopter 3.0 foi testado, ao longo do primeiro trimestre, na comunidade de Reit im Winkl, e onde os clientes da empresa de distribuição DHL receberam convites para o envio de encomendas até ao planalto Winklmoosalm.

Durante a fase de testes foram realizadas cerca de 130 entregas, todas elas feitas de forma automatizadas com recurso a um Packstation – Parcelcopter Skyport – um drone desenvolvido para o efeito. Para realizar este processo de entregas, os clientes apenas tinham de inserir as suas encomendas no Skyport e iniciar a transferência e entrega automatizadas através do Parcelcopter, em percursos de oito quilómetros e a uma altura de 1 200 metros acima do nível do mar.

A evolução alcançada com o Parcelcopter 3.0 permite agora lidar com condições geográficas e meteorológicas adversas, com cargas mais pesadas e distâncias mais longas. Durante a fase de testes foram entregues medicamentos urgentes e material desportivo em oito minutos, um itinerário que de carro levaria pelo menos trinta minutos. “Somos os primeiros, em todo o mundo, a oferecer um transporte através de drone – Parcelcopter DHL – com entrega ao cliente final. Com esta combinação de carga e descarga totalmente automática, com o aumento da capacidade de carga de transporte e alcance do nosso Parcelcopter, conseguimos um nível de maturidade técnica e processual que nos permite avançar numa próxima fase para testes em zonas urbanas”, afirma Jürgen Gerdes, Management Board Member do Post – eCommerce – Parcel do Grupo Deutsche Post DHL.

O sucesso do projeto reflete uma parceria de excelência com a comunidade de Reit im Winkl, com o seu parceiro R&D, Rheinisch-Westfälischen Technischen Hochschule Aachen (RWTH), e com outras entidades como o Ministério Federal dos Transportes (BMVI), que estabeleceu uma zona restrita de voo especificamente para este projeto de pesquisa, e a Autoridade de Aviação para a Região da Alta Baviera, que providenciou as autorizações necessárias de voo.

A DHL fez questão de revelar que todos os detalhes foram salvaguardados de forma a garantir a segurança e eficácia do projeto.